Pesquisar no Blog

sábado, 24 de julho de 2021

Dia dos Avós: Saiba os cuidados fundamentais que devem ser adotados com a cama dos idosos

Adobe Stock
Com a chegada à terceira idade se faz necessário dar uma atenção especial ao quarto, visando noites de sono prazerosas e confortáveis


Celebrado nacionalmente em 26 de julho, o Dia dos Avós é a data destinada para a homenagear aqueles que são pais ou mães duas vezes e estão sempre dispostos a fazer de tudo pelos seus netos, os cercando de muito amor e afeto. Quando se chega na terceira idade, é comum que se sinta algumas mudanças no corpo. Com isso, alguns cuidados devem ser intensificados, tendo em vista que com o avançar dos anos, o equilíbrio tende a diminuir e algumas complicações na saúde surgem.

Para isso, é preciso fazer certas adaptações na casa, principalmente na cama do idoso, local onde costumam passar uma grande parte do dia. Abaixo, Camila Shammah, gerente de produtos da Camesa , empresa especializada em artigos de cama, mesa e banho, indica cuidados essenciais que são necessários para garantir conforto e bem estar aos momentos de repouso dos indivíduos da terceira idade. Confira:

• Cama:

Opte por uma cama que contenha a altura mais indicada para o idoso. "A atura entre 45 e 65 cm é o ideal para que elas consigam se sentar com os pés encostados no chão e tenham mais força para se apoiar, sentar e levantar", informa.

Camila também sugere que se invista em uma cabeceira alta e almofadadas. "Elas acabam servindo de encosto para os idosos na hora de assistir televisão, ler um livro ou até mesmo fazer refeições no quarto", comenta.

• Colchão:

A cama é o lugar em que os idosos costumam passar grande parte do seu tempo. Portanto, é imprescindível que o colchão seja de qualidade e proporcione o conforto merecido. A gerente sugere os modelos mais anatômicos, pois acomodam melhor a coluna.

"Para conservar a qualidade do produto, utilize sempre um protetor de colchão, preferencialmente uma opção impermeável, para evitar que seja molhado com o suor do corpo e até mesmo urina", indica.

• Travesseiros:

Ideias para uma boa noite de sono, os travesseiros são itens que precisam de uma atenção maior quando se trata dos idosos. "A altura não deve ser muito baixa e nem alta demais. Também é preciso que ele se adapte ao corpo, dando o suporte necessário para um momento de repouso confortável e maior disposição, evitando assim possíveis dores", ressalta.

A gerente também sugere que se invista em um travesseiro corporal. "Esse acessório melhora a qualidade do sono e eleva o conforto ao dormir. Por não ceder com facilidade ao peso corporal, também relaxa os músculos e alivia o estresse", explica.

• Roupas de cama:

Camila recomenda apostar em lençóis com elástico para cobrir o colchão, já que se fixam mais à cama e não saem com tanta facilidade. Além disso, é comum que pessoas de mais idade sintam frio. Sendo assim, a especialista sugere que sempre se deixe de fácil acesso uma manta, para que ele possa se cobrir durante a noite. "No inverno o mais indicado é já preparar a cama com um edredom ou cobertas, pois são mais pesadas e os deixarão aquecidos", comenta

Quanto a higienização, a gerente comenta que o lençol e a fronha precisam ser lavados ao menos uma vez por semana, em casos em que não há nenhum problema de saúde. Já no caso de edredons e cobertores, a especialista sugere que sejam colocados com a mesma frequência no sol para eliminar ácaros e fungos.

 


Camesa

https://www.camesa.com.br


Como fica o vínculo entre avós e netos durante o distanciamento imposto pela pandemia?

Especialista da Rede de Hospitais São Camilo de SP ressalta importância da relação entre ambos e afirma que tecnologia ajudou na manutenção do contato

 

A presença dos avós na vida de seus netos é uma constante em muitas famílias da nossa sociedade e tal participação pode contribuir para o desenvolvimento emocional das crianças.  

Segundo a psicóloga da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo Natália Reis Morandi, a relação construída entre eles é extremamente benéfica e tem impacto positivo na vida de ambos.  

“O relacionamento de avós e netos vai além de sentimentos de respeito, amor e admiração. Muitos netos enxergam em seus avós figuras de apoio, segurança, carinho, atenção e conhecimento”, explica a especialista. 

Estudos realizados pela Boston College (EUA) também indicam que a convivência constante entre avós e netos beneficia a saúde mental e emocional dos idosos.

“Com relação aos avós idosos, os estudos indicam que cuidar dos netos os ajudam a manter a mente saudável, auxilia na prevenção de sentimentos de solidão e sofrimentos emocionais significativos”, ressalta Natália. 
 

Além disso, pesquisas divulgadas pelo US News & World Report apontam que o contato dos idosos com as crianças pode trazer benefícios em doenças neurológicas, como Alzheimer, uma vez que essa relação e os cuidados estabelecidos faz os idosos se sentirem mais ativos, úteis e saudáveis, despertando um sentimento de satisfação.  

“Os avós também aprendem muito com as crianças, pois utilizam diversos recursos emocionais e cognitivos ao proporcionar os cuidados, interagir e brincar com os netos”, reitera. 


Tecnologia

A pandemia de Covid-19 impôs um cenário restritivo às famílias e suas relações. Medidas de isolamento e distanciamento social foram necessárias para evitar a disseminação da doença. Com isso, os avós se viram distantes fisicamente de seus netos, o que gerou um impacto significativo na vida deles.   

Segundo Natália, para que o impacto não fosse tão sentido por ambos, a tecnologia foi um fator importante para o fortalecimento desta relação, pois exerceu um papel fundamental ao aproximar pessoas nos momentos de distanciamento social, uniu parentes e amigos para minimizar o isolamento.  

“A possibilidade de realização de videochamadas com dispositivos móveis, como celulares e tablets, ofereceram aos avós a oportunidade de participarem, mesmo de longe, dos momentos importantes que seus netos estavam vivenciando, o que possivelmente atenuou sentimentos de solidão desencadeados pela pandemia, além de estimular cognitivamente os idosos, ao passo que precisaram se reinventar e aprender novas tecnologias”, finaliza a especialista. 

 



Hospital São Camilo

@hospitalsaocamilosp


Confira 8 alimentos que diminuem a libido

O médico Paulo Lessa aponta diferentes alimentos cujo consumo reduz a vontade de fazer sexo

 

Ter atenção ao que você come é importante para manter uma boa saúde, mas pode ter relação também com a sua vida sexual. Existem algumas regrinhas básicas para quem não deseja reduzir a libido, especialmente no Dia do Orgasmo, que será comemorado no próximo dia 31.  

“A regra número um para quem não quer derrubar a libido é evitar comer muito – seja lá o que for. Alimentar-se demais provoca sonolência e adormece o corpo”, afirma Paulo Lessa, médico pós-graduado em Nutrologia. “Já a regra número dois é evitar bebidas alcoólicas porque causam desidratação. Na prática, reduzem o volume do sangue, responsável pela ereção,  e aumentam o nível de angiotensina, hormônio associado a disfunções sexuais”, aponta.

 Assim como existem os alimentos afrodisíacos, que aumentam a libido, existem também aqueles que agem de forma contrária, diminuindo a vontade de fazer sexo. Confira alguns deles a seguir:

 

Alimentos ricos em gordura hidrogenada 

“Alimentos fritos e ricos em gordura e sal não só provocam letargia, ou seja, cansaço, assim como matam a libido. Isso porque as gorduras hidrogenadas suprimem os níveis de testosterona.”

 

Água tônica 

Segundo o Germany's Institute of Reproductive Medicine, a quinina, agente aromatizante utilizado na água tônica, pode causar disfunção erétil. “Estudos na Nigéria também mostram que a quinina também pode diminuir os níveis de testosterona do homem”, explica o profissional.

 

Refrigerante 

Os refrigerantes e todas as bebidas com alto teor de açúcar matam rapidamente o desejo sexual. “O açúcar refinado tem sido associado ao aumento dos níveis de ansiedade e depressão, o que, de acordo com pesquisas, acabam com a libido, além de afetar o humor”, acrescenta.

 

Doces 

“Alimentos ricos em açúcar, no geral, alteram a glicose no sangue, provocando diminuição no desejo sexual”, destaca Paulo.

 

 Tofu 

“Quando consumida em excesso, a soja pode diminuir os níveis de testosterona, prejudicando a libido”, descreve.

 

 Álcool 

“Até uma taça de vinho pode ser benéfica para aumentar a libido feminina. Se passar disso pode provocar efeito contrário”, pontua.

 

Soja 

Esse item contém fitoestrogênio, que ocasiona o desbalanceamento hormonal. “Nos homens, o alto nível de estrógeno pode desencadear até mesmo o crescimento de seios e a disfunção erétil”, ressalta.

 

Cachorro-quente 

O conteúdo saturado alto do cachorro-quente pode entupir as artérias vaginais e penianas, o que não colabora em nada com a noite a dois. “Todos os alimentos processados são um ‘não’ para a libido. Você pode se sentir lento e com pouca energia, o que não é bom para se sentir excitado”, completa.

 

 

Doutor Paulo Lessa - Médico, pós-graduado em Nutrologia, Adequação Nutricional, Manutenção da Homeostase, Prevenção e Tratamento de Doenças relacionadas à Idade. Proprietário do Instituto Lessa, composto por médicos, psicólogos, dentista e nutricionistas, local que vem desenvolvendo um trabalho diferenciado no Brasil, de forma Integrativa e multidisciplinar, proporcionando para o paciente emagrecimento, gerenciamento do estresse com melhora da saúde física e mental de forma individualizada e otimizada.

Instagram:

@drpaulolessa

@institutolessa


Bem-estar mental é desafio cada vez maior para conviver com a pandemia de Covid-19

ABIMIP faz campanha de atenção aos sete pilares do autocuidado e alerta para a busca do bem-estar psicológico e a autoconsciência


Mais da metade dos brasileiros - 53% - afirmam que seu bem-estar mental piorou durante a pandemia da Covid 19. Este é o principal resultado de uma pesquisa feita pelo Instituto Ipsos, (One year of Covid 19) encomendada pelo Fórum Econômico Mundial. A pesquisa on-line foi realizada com 21.011 entrevistados, mil deles brasileiros, com idades entre 16 e 74 anos, em 30 países. De acordo com o estudo, o Brasil ocupa o quinto lugar entre aqueles que afirmam sentirem seu bem-estar mental piorar na pandemia - a porcentagem é maior apenas na Itália (54%), Hungria (56%), Chile (56%) e Turquia (61%).

Angústia, medo, solidão, insegurança. Ou pior: ansiedade e depressão, são alguns dos sentimentos que os brasileiros já apontaram como consequência das medidas de restrições impostas pela pandemia, como o isolamento social e outras mudanças de hábitos - que incluem a diminuição da prática de atividade física e alimentação ruim, por exemplo.

"A saúde psicológica é muito importante para enfrentarmos os problemas que essa pandemia traz ao nosso dia a dia e, pior, os médicos assinalam que o descompasso psicológico pode trazer efeitos nocivos à saúde como um todo, e a curto prazo", lembra a vice-presidente executiva da ABIMIP - Associação Brasileira da Indústria de Medicamentos Isentos de Prescrição. Este é um dos motivos pelo qual a entidade realiza a Semana do Autocuidado, detalhando os sete pilares do autocuidado - entre eles está o bem-estar mental e a autoconsciência "A ideia é colaborar para informar e empoderar os brasileiros na busca pela saúde e bem-estar na pandemia, inclusive com a autoconsciência do seu corpo e como agir para cuidar da saúde", acrescenta Sileci.

Segundo especialistas em saúde mental, muitos brasileiros estão sentindo o impacto da pandemia até mesmo no próprio sono. Segundo pesquisa realizada com 1.874 pessoas, em 24 de julho de 2020, com apoio institucional da ABIMIP, 68% dos entrevistados afirmaram que a pandemia trouxe algum impacto negativo no sono; e esse impacto foi considerado expressivo para 34% ouvidos na amostra. Junte-se a isso o fato de que, segundo a Organização Mundial da Saúde, o Brasil ocupa o quinto lugar no mundo em taxa de depressão, a necessidade de manter a mente calma - e controlar o estresse que estes tempos de pandemia impõem - é uma questão imprescindível atualmente.

Para melhorar o sono, por exemplo, é recomendado criar um verdadeiro ritual de preparação para dormir. Esse ritual deve incluir, por exemplo: não mexer no celular horas antes de deitar e evitar assistir programas violentos pelo menos duas horas antes de ir para a cama. "Mais do que nunca é preciso manter a mente quieta. Exercícios de meditação, respiração e relaxamento, podem ajudar", sugere Marli Sileci, da ABIMIP.

Por outro lado, psicólogos e psiquiatras acreditam que o contato via videochamada e telefone com amigos e parentes também auxilia na busca pela vida mais alegre na pandemia. Ao mesmo tempo, é indicado evitar discussões entre membros da família e até com os amigos nas redes sociais. A recomendação de psicólogos é tentar se cobrar menos e ser mais paciente com família e amigos.

Além disso, é preciso limitar o tempo gasto com notícias negativas e evitar ao máximo o consumo em excesso de álcool e de cigarro. "Estamos vivendo um momento totalmente inusitado nas nossas vidas e as emoções e sentimentos negativos devem ser evitados de modo a nos trazer mais paciência e aceitação", completa Marli Sileci, da ABIMIP.

 

ABIMIP - A Associação Brasileira da Indústria de Medicamentos Isentos de Prescrição


" A população que entende de tudo", mas que pouco compreende a si mesma

Beto Colombo comenta sobre o poder da terapia filosófica clínica na busca pelo bem-estar e para a segurança psicológica

 

O filósofo clínico, Beto Colombo, analisa que muita gente sabe muito sobre todos os assuntos, como economia, administração, engenharia, matemática , mas são exímios analfabetos quando a questão é conhecer a si mesmo.

Um exemplo disso, é quando temos um problema cardíaco, procuramos um cardiologista, quando temos um problema nos pés, vamos ao ortopedista e assim por diante. O especialista por sua vez, faz um questionamento, por que quando temos problemas existenciais relutamos tanto em ir a um psicoterapeuta? Porque poucos fazem terapia preventiva?

"Um filósofo clínico vai ajudar seu partilhante/paciente a encontrar um bem-estar existencial - é o que eu tenho visto e defendido no meu consultório", garantiu. "Tenho visto pessoas estudando manuais para saber o funcionamento de máquinas e não sabem como eles funcionam", conclui o filósofo.

A filosofia clínica é um método terapêutico que utiliza o saber filosófico desde os gregos até os dias de hoje. Sendo assim, cada filósofo defendeu sua tese a partir daquilo que ele acreditava. Beto Colombo comenta que alguns desses filósofos, possivelmente, não se deram conta de que aquilo em que eles acreditavam, funcionava para eles, e que, possivelmente, não se encaixava para todas as pessoas, tendo em vista que cada ser humano é único.

"Então chegamos à singularidade e, a abordagem da filosofia clínica, diante de uma pessoa , eu "só sei que nada sei", sobre o "outro" que está diante de mim. Para nós, filósofos clínicos, o outro é sacralidade, é solo sagrado, e, sendo o outro sacralidade, para irmos ao mundo deles, precisamos tirar nossas sandálias, temos que nos despojar dos nossos pré-juízos de nossas verdades prontas e agendadas em nosso intelecto" afirma Colombo.

Beto que desde criança tinha aptidão epistemológica e, especialmente, para ser um cuidador, se dedica a ajudar pessoas que estão em busca de autoconhecimento. O especialista destaca que o processo do despertar é lento, mas que o bem-estar para algumas pessoas pode ser encontrado através da música, da arte, da literatura, do esporte e da ajuda terapêutica que são aliados na alfabetização existencial.

A filosofia que desde os gregos era uma prática terapêutica, aqui no Brasil é nova; nasceu no início dos anos 1990, mas vem crescendo ano a ano. Beto Colombo ressalta "a vontade de tornar essa metodologia conhecida mundialmente, como uma eficaz ferramenta quando falamos de segurança psicológica", assegurou o filósofo clínico.

 


Beto Colombo  - O filósofo clínico, atua como professor, psicoterapeuta, mentor, conselheiro empresarial, palestrante e, nas horas de folga, é escritor. Atualmente é professor titular do curso de pós-graduação em Filosofia Clínica na Unesc e atende como psicoterapeuta em consultório focado em clínicas filosóficas. É conselheiro empresarial e exerce atividades voltadas para a segurança psicológica e mentoria para empresários, executivos e profissionais liberais. Beto tem formação como conselheiro pelo IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa), e foi presidente de empresas por quase 30 anos. É autor best-seller com mais de 100 mil cópias vendidas. Publicou 10 livros: entre eles O Velho Bah, Compostela - Muito Além do Caminho de Santiago, A Alma da Empresa - Filosofia Clínica nas Organizações, PPR (Programa de Participação nos Resultados) na Prática, Pensatas - Filosofia no dia a dia, Muito Além do Lucro e o recém-lançado (best-seller ) Todo Caminho É Sagrado.


Como o estresse está relacionado com o aumento de peso


Médicos da Clínica Benessere esclarecem a relação de forma clara e objetiva


Com a rotina corrida e cheia de tarefas, é comum que as pessoas relatem o estágio de estresse. Mas afinal, o que seria e como evitá-lo? Para entender as causas é necessário conhecer os mecanismos estressores internos e externos, os quais estão relacionados à personalidade, como o perfeccionismo, autocobrança exacerbada e a pressa, ou mudanças provocadas pelo ambiente, como o trânsito caótico, doença na família, morte de entes queridos e pressão no trabalho, por exemplo.

“De forma prática, quando uma pessoa se estressa gera uma resposta metabólica primitiva de defesa e proteção, onde corpo libera um hormônio chamado cortisol, que faz com que o corpo libere adrenalina e insulina. A adrenalina libera açúcar na corrente sanguínea rapidamente porque o corpo precisa de energia para contrair músculos e a insulina faz com que a glicose entre mais rápido na célula para termos mais energia, otimizando o trabalho da adrenalina”, afirma Dr. Alisson Melo, médico da Clínica Benessere.

“Quando isso acontece, várias vezes ao dia, uma pessoa começa a sentir mais vontade de comer doces e carboidratos simples, como pães, porque a insulina está circulando no sangue e o sistema nervoso central entende que o corpo precisa de mais energia atuando em áreas da fome no cérebro. Esse é um ciclo vicioso que o corpo não entende que deve parar: quanto mais estresse, mais cortisol, maior a vontade de comer doce e maior o ganho de peso”, completa Dr. Elifas Rodrigues, médico da Clínica Benessere.

O estresse está presente nas diversas situações do dia a dia, todavia existem alguns hábitos capazes de amenizá-lo, como buscar uma boa noite de sono, cuidar da saúde, alimentar-se de forma saudável, praticar exercícios regularmente e ter momentos relaxantes. É preciso controlar os mecanismos estressores e mudar a forma de enfrentá-los, entendendo nossos limites e estabelecendo prioridades.


Problemas urinários e as emoções: qual a relação?

 

Entenda a origem desse problema que afeta milhões de pessoas


Incontinência urinária, infecções, cólicas renais… Esses problemas de saúde são bastante comuns na sociedade em geral. Quem nunca teve uma infecção urinária e sentiu aquele ardor no momento de fazer xixi? Apesar de muito comum e corrente, no entanto, o que muitas pessoas não sabem é sobre as verdadeiras causas dos problemas urinários.

De acordo com a fisioterapeuta e especialista em medicina integrativa, Ana Peixoto, “os problemas urinários têm forte relação com o nosso lugar, o nosso território no mundo”. Em outras palavras, a urina associa-se com uma marcação de território, como se com ela determinássemos o nosso espaço, nosso território.  

Independente do problema, a fisioterapeuta explica que “as nossas doenças e problemas de saúde são manifestações das nossas emoções e pontos de vista”. Assim, com os problemas urinários, não é diferente. Por meio das 5 leis biológicas, estudo formulado pelo médico alemão, Dr. Hamer, é possível entender que tudo o que sentimos no âmbito emocional, pode ser traduzido pelo corpo na forma de alguma patologia física.

 No caso de incontinência e infecções urinárias recorrentes, é possível entender que o paciente está com dificuldades em delimitar limites ao outro. Por isso, como a urina desempenha um papel de “marcar o nosso território", esses problemas evidenciam situações em que existem dificuldades em um relacionamento ou ainda na delimitação do seu próprio espaço.

Já no que se refere às cólicas renais, “dependendo o lado do rim afetado, a pessoa pode estar passando por diferentes situações”, afirma a especialista. Quando uma pessoa tem cólica renal a direita, temos que buscar o quanto está difícil para ela colocar limites em alguém que mora junto com ela; já se a cólica renal no rim esquerdo, a dificuldade se dá com alguém que vem de fora.

Ana ainda afirma que as manifestações podem mudar com o decorrer do tempo. Isso porque, “se a pessoa está vivendo tudo isso agora, sua urina pode ficar mais escura e ainda, ter cheiro forte para ajudá-la a marcar mais ainda seu lugar. Agora, se o problema com relação aos limites já tiver passado, o corpo pode manifestar essas dores de outras formas, com a queimação e o ardor”.

Por último, é importante frisar que os problemas urinários e renais são bastante frequentes e recorrentes. Assim, investigar a verdadeira causa do problema pode gerar resultados incríveis, nos quais os sintomas venham a ser tratados desde a origem para que não ocorram mais. O nosso corpo fala e é essencial que estejamos atentos à sua comunicação. O que o seu corpo está dizendo para você?

 


Ana Peixoto – Fisioterapeuta. Terapeuta especialista em medicina germânica, Idealizadora das técnicas de Reprogramação Bio-muscular e Anatomia Emocional

@anapeixoto.oficial

https://anapeixoto.com.br/


PANDEMIA DA COVID-19 PROVOCA AUMENTO NOS CASOS DE TRANSTORNO DE COMPULSÃO ALIMENTAR, TAMBÉM CHAMADO DE ‘COVID BINGE EATING DISORDER’

  

Especialista Alexander Bez alerta sobre as consequências do distúrbio e esclarece sobre os tratamentos adequados para a cura do transtorno

 

Nesse período de pandemia muitas situações estão fora da normalidade, independente da circunstância. Conforme o tempo vai passando, novas nomenclaturas estão surgindo na psiquiatria e na psicologia, apresentando aspectos ainda mais negativos em relação a esse período pandêmico que enfrentamos.

As situações de incertezas, inseguranças, dúvidas e desconforto são cada vez mais comuns, sensações que são provocadas pela pandemia e desenvolve em muitos indivíduos a ação de comer compulsivamente.

Entretanto, quando nós falamos em ‘binge eating’ (comer compulsivamente), é uma nomenclatura que já existia, porém, motivada por outras razões psicológicas e não à condição pandêmica. 

Como consequência da Covid-19, o transtorno de compulsão alimentar também chamado de ‘Covid Binge Eating Disorder’ acarreta uma extensa ambiguidade sintomatológica, desenvolvida pela associação da ansiedade especificamente pandêmica e do estresse pandêmico, esclarece o psicólogo Alexander Bez. Quando o indivíduo tem o transtorno de ‘binge eating’, ele passa a comer algum alimento da sua preferência de forma compulsiva, até o momento que ele se sinta saturado”, complementa o especialista. 

A conduta comportamental é isolada nesses casos, e não é classificada com um Transtorno de estresse pós-traumático (TSPT), na vertente alimentar”, ressalta Alexander. 

A COVID-19 já apresenta mais de quatro variantes e cada uma delas com sintomas diferentes, o vírus também se manifesta de forma distinta no organismo da pessoa infectada, e a perda de paladar e olfato (que em alguns casos pode demorar até seis meses ou mais para voltar) pode ser um gatilho para a “compulsão alimentar isolada”, que acontece em casos atípicos e se torna crônica, migrando para a uma compulsão alimentar mais severa, alerta o especialista. 

A ‘binge eating’ é uma sensação de extravasão psicológica não crônica, mas ocasional, momentânea e intencional, planejada. A compulsão alimentar provoca a sensação de culpa, vergonha e a falta de controle pessoal, em alguns casos isolados essa ação está ligada também a pessoas sozinhas. 

A ‘Covid Binge Eating Disorder’ por ser mais prolongada e ser repetida com frequência, pode desencadear consequências físicas e psicológicas como:

— Pressão Arterial

— Aumento dos marcadores sanguíneos (colesterol, glicemia, triglicérides)

— Sobrepeso

— Elevação do risco cardiovascular

— Artrite óssea

— Apneia

— Preocupação constante

— Perda do controle

— Diminuição da autoestima

— Perca do foco

— Desatenção

— Debilitação psicológica

— Diminuição da produtividade profissional

 Nos quadros de transtorno de compulsão alimentar, o paciente consegue tratar totalmente esse distúrbio, seja ele motivado especificamente na pandemia ou não, o tratamento indicado é a psicoterapia, intercalado com ansiolíticos e antidepressivos. É indicado também o tratamento coadjuvante, que se baseia em exercícios físicos como musculação, aeróbico, participar de grupos de apoio, realizar atividades sociais e melhorar a alimentação com dietas especificas conforme a necessidade do paciente, auxilia no processo de recuperação”, finaliza Alexander Bez.


Terapia de casal: como identificar o relacionamento abusivo?

Contar com a ajuda de um especialista auxilia a lidar com relacionamentos em crise e questões que estão interferindo negativamente; a psicóloga clínica Vanessa Gebrim revela os principais mitos e verdades o assunto

 

Nos últimos tempos as pessoas foram bombardeadas com notícias nos principais veículos de comunicação sobre relacionamentos abusivos. Como o caso recente do cantor Nego do Borel e da atriz e influenciadora digital Duda Reis, que após três anos de relacionamento, o término virou caso de polícia. Com a chegada das redes sociais, onde as pessoas passaram a ter mais voz para denunciar e buscar apoio, casos sobre violência contra mulher e relacionamentos abusivos viraram protagonistas.

 

E atualmente as mulheres têm sido vítimas em diversos relacionamentos. Para se ter uma ideia, de acordo com a Organização Mundial da Saúde Mulher, em 2019, 243 milhões de mulheres sofreram violência física, sexual ou psicológica pelos próprios parceiros. Mas quais são os principais sinais para identificar um relacionamento abusivo?

 

Segundo a psicóloga Vanessa Gebrim, especialista em Psicologia Clínica pela PUC de SP, existem sinais bem claros geralmente presentes nesse tipo de relacionamento. “Entre eles estão: ciúme exagerado, possessividade, necessidade de controle, comportamento agressivo, invasão de privacidade, chantagem, manipulação, controle financeiro, violência sexual, verbal, emocional e física, ameaças, entre outros”, explica.

 

Porém, a especialista ainda fala que nem sempre esses sinais são fáceis de serem enxergados pela vítima que, muitas vezes, se sente presa e com a autoestima abalada pelo parceiro. “A terapia de casal é uma ótima forma de identificar esse tipo de caso. No decorrer dos atendimentos psicológicos, o terapeuta começa a perceber os sinais de que está havendo abuso no relacionamento. O abusador vai se revelando através de comportamentos que são considerados sugestivos de um relacionamento abusivo”, complementa a especialista.

 

Abaixo, confira os principais mitos e verdades sobre o assunto:

 

Existem casos em que os envolvidos não sabem que estão em um relacionamento não saudável?

 

VERDADE. “Muitas vezes, o relacionamento já vem com um padrão estabelecido e o casal pode não ter consciência de que está dentro de um relacionamento abusivo. É papel do psicólogo mostrar ao casal e orientá-lo sobre a existência desse tipo de relacionamento e isso vai ficando mais claro durante a evolução da psicoterapia”, conclui Vanessa.

 

Existem vários níveis de uma relação abusiva?

 

VERDADE. “Existem vários níveis, desde um abuso psicológico ou verbal até a forma mais grave onde acontece a morte da vítima”, diz.

 

Meu parceiro faz pouco caso das minhas conquistas, é normal? 

 

MITO. “Um relacionamento deve ser algo positivo na vida de ambos, algo que venha complementar uma felicidade. E a base de relacionamentos saudáveis é o companheirismo, por isso, o companheiro deve vibrar pelas conquistas de sua mulher. O problema é que em um relacionamento abusivo, o homem, muitas vezes, faz de tudo para humilhar sua parceira para se sentir melhor. É doentio”, conta.

 

Uma das principais fugas de uma abusador é dizer que a mulher é “louca”.

 

VERDADE. “Uma forma deles se defenderem de possíveis percepções do abuso nas mulheres, é taxar a companheira como louca, fazendo com que a mesma se questione a própria sanidade e capacidade de analisar as situações. Nesses casos, muitas vezes eles conseguem fazer com que a vítima se sinta culpada pelas reações agressivas dele”, comenta.

 

Sou vigiada pelo meu parceiro, posso considerar isso normal?

 

MITO. “De maneira alguma. Não é porque é seu marido ou namorado que tem direito de vigiar a sua intimidade. Alguns acontecimentos comuns nesse sentido são: pedir para a mulher se afastar dos amigos e familiares - mesmo de forma indireta -, ter acesso ao celular e redes sociais, viver pedindo desculpas, dizendo que vai mudar, mas não altera o padrão de comportamento, controle da vida financeira, entre outros.”, esclarece.

 

Controle e ciúmes excessivo é normal em uma relação saudável?

 

MITO. “Ciúmes é um sentimento comum do ser humano, que existem em relações saudáveis, mas nada em excesso é normal, ainda mais quando esse sentimento causa o poder de posse em cima de alguém. É considerado normal apenas quando não existe controle excessivo e não cause sofrimento tanto na pessoa que vivencia esse sentimento como naquela que é o alvo do ciúme”, salienta a psicóloga. 

 

 


Vanessa Gebrim - Pós-Graduada e especialista em Psicologia pela PUC-SP. Teve em seu desenvolvimento profissional a experiência na psicologia hospitalar e terapia de apoio na área de oncologia infantil na Casa Hope e é autora de monografias que orientam psicólogos em diversos hospitais de São Paulo, sobre tratamento de pacientes com câncer (mulheres mastectomizadas e oncologia infantil). É precursora em Alphaville dos tratamentos em trauma emocional, EMDR, Brainspotting, Play Of Life, Barras de Access, HQI, que são ferramentas modernas que otimizam o tempo de terapia e provocam mudanças no âmbito cerebral. Atua também como Consteladora Familiar, com abordagem sistêmica que promove o equilíbrio e melhora relações interpessoais. Tem amplo conhecimento clínico, humanista, positivista e sistêmico e trabalha para provocar mudanças profundas que contribuam para a evolução e o equilíbrio das pessoas. Mais de 20 anos de atendimento a crianças, adolescentes, adultos, casais e idosos, trata transtornos alimentares, depressão, bullying, síndrome do pânico, TOC, ansiedade, transtorno de estresse pós traumático, orientação de pais, distúrbios de aprendizagem, avaliação psicológica, conflitos familiares, luto, entre outros.


Ócio ajuda estudantes a ganhar fôlego para semestre seguinte


Unsplash
"Fazer nada" é estratégia para descansar corpo e mente de crianças e adolescentes e estimular a aprendizagem; educadora alerta para uso de eletrônicos sem moderação durante as féria


Depois de um semestre inteiro de aulas híbridas e incertezas sobre o ensino devido à pandemia de covid-19, as férias de julho costumam ser o momento perfeito para descansar e recuperar o fôlego antes da segunda metade do ano letivo. Mas será que crianças e adolescentes estão realmente descansando? Embora seja atrativo aos olhos dos jovens, o uso ostensivo de celulares, videogames e outros recursos digitais pode prejudicar tanto o desenvolvimento quanto às relações sociais.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria, as telas estimulam a produção de dopamina, que causa dependência e leva a transtornos de comportamento e problemas para dormir. Por isso, o uso diário deve ser limitado. Só que, com a pandemia, controlar esse acesso ficou ainda mais difícil para pais e responsáveis porque é por meio do celular, por exemplo, que crianças e adolescentes fazem de tudo, desde conversar com os amigos até participar das avaliações escolares. Daí a necessidade, ainda mais urgente, de proporcionar momentos de desconexão enquanto estão de férias. 

Para a assessora de Educação dos colégios do Grupo Positivo, Giselle Bailo Uflacker, esse é o momento ideal para propor atividades que permitam uma reconexão da criança e do adolescente consigo. “É importante parar e ter um tempo para si. A criança contemporânea geralmente tem muitos compromissos e essa pausa pode ajudá-la a refletir sobre hábitos simples e naturais, até mesmo como a respiração”, explica. Ela lembra que respirar com consciência é um dos exercícios mais simples que existem para tratar questões como a ansiedade, tão comum nos dias atuais.


Estímulo ao ócio é responsabilidade dos adultos

“É preciso incentivar a criança a perceber o ambiente em que está inserida. Em uma praça, um parque ou até mesmo no jardim de casa, observar o céu, a grama, as estrelas ou o movimento das plantas ajuda a suscitar reflexões que são fundamentais para o desenvolvimento humano”, diz Giselle. O conselho se apoia em um número cada vez maior de estudos que apontam: estar conectado o tempo todo é prejudicial para a saúde emocional. Um levantamento publicado no Canadian Journal of Psychiatry acompanhou mais de 3,8 mil voluntários entre 12 e 16 anos ao longo de quatro anos. O resultado mostrou que, quanto mais longo o período de exposição às redes sociais, TV ou computador, maior a incidência de quadros de ansiedade.

Assim como ocorre com grande parte das obrigações de crianças e adolescentes, também o ócio não é natural nessas idades. No que depender deles, qualquer tempo livre será gasto no celular - esse, aliás, é um fenômeno que não se restringe à infância e adolescência, mas acomete também boa parcela dos adultos. O entretenimento fácil oferecido pela internet costuma ser uma tentação. Cabe aos pais, então, conduzir os filhos aos momentos necessários de ócio. “Não é fácil, mas é muito importante estimular que eles se disponham a enfrentar sensações como o tédio, que serve para limpar a mente, relaxar e, de fato, descansar os sentidos”, finaliza.


Exercícios e sono: como uma noite bem dormida influencia seu desempenho?

O descanso é essencial para uma boa performance esportiva, mesmo para quem não é um atleta olímpico

 

Ter uma boa noite de sono é tão importante para a saúde quanto manter uma alimentação saudável, especialmente para quem pratica exercícios físicos – afinal, ter um bom desempenho não é coisa só para atleta olímpico. Por falar em Olimpíadas, o superastro do atletismo, Usain Bolt, tirava cochilos regularmente antes das competições mais importantes, como a prova em que conquistou a medalha de ouro nos Jogos de 2012, em Londres. Já para a quebra do recorde mundial, o velocista precisou de apenas 30 minutos de descanso. 

Estudos recentes mostram os efeitos positivos do sono na aprendizagem de sequências motoras, além de indicar que dormir após o treinamento leva a uma melhora geral do desempenho. “O sono é crucial para processar as sequências de movimento adequadamente, para guardar cada pequeno movimento com cuidado e transformar tudo em hábitos instintivos, permitindo que possamos realizar uma determinada atividade automaticamente, de maneira quase inconsciente. Além disso, dormir antes de um grande evento esportivo faz o atleta se beneficiar ainda mais do treinamento,” explica a Dra. Verena Senn, neurocientista e especialista do sono da Emma – The Sleep Company.

 Por outro lado, dormir pouco pode comprometer o desempenho físico tanto do atleta profissional quanto do amador. Para se ter uma ideia, após uma noite com menos de 8 horas de sono, o corpo se cansa de 10 a 30% mais rápido do que o normal, a força muscular diminui, os níveis de oxigênio são reduzidos e é possível se machucar mais facilmente. Estudos apontam que atletas que dormem, em média, menos de 8 horas por noite têm 1,7 vezes mais probabilidade de sofrer uma lesão em comparação com aqueles que descansam por mais de 8 horas. 

“É dormindo que o corpo se recupera após exercícios físicos de alto impacto, combate inflamações, repara a força muscular, reabastece energia celular e restitui os tecidos, além de ser essencial para a saúde mental”, completa a neurocientista.

 

 

Emma – The Sleep Company

https://www.colchoesemma.com.br/

5 benefícios da Psicoterapia para se tornar um profissional melhor no home office

Preocupação com a saúde mental deve continuar mesmo depois que a pandemia passar


O home office imposto pela pandemia trouxe obstáculos, inconveniências e restrições sobre os quais é importante refletir. Além da sensação de distanciamento, a possível perda do pertencimento e a falta de encontros casuais com os colegas da empresa muitas vezes reduziram a criatividade e a coesão do time.

Mesmo diante das eficientes plataformas digitais de comunicação, a interação online não supera a relação interpessoal face a face nem satisfaz plenamente a necessidade primária de socialização humana. O trabalho remoto dificultou ainda a separação da vida privada e profissional, e fez aumentar ou surgir sintomas como ansiedade, dificuldade em dormir, cansaço, dores musculares e nas articulações.

Já que o novo método de trabalho deve seguir para grande parte das empresas, mesmo quando a crise pandêmica passar, é importante que os colaboradores continuem pensando na saúde mental. Para isso, Giovani Lucena, psicólogo do PsicoManager, plataforma de gestão para psicólogos e clínicas de psicologia, lista cinco benefícios da psicoterapia para quem está trabalhando em casa:

• Promove o autoconhecimento - Tomar consciência das características de sua personalidade e de seus padrões comportamentais implica em mergulhar em suas memórias, regressar a momentos por vezes pouco agradáveis para compreender o que motiva você a agir e a pensar de determinada forma. Isso é essencial para que você tome as rédeas de sua vida e aprenda a tomar decisões melhores;

• Ajuda no desenvolvimento de soft skills - Organizações procuram funcionários que, além de possuírem conhecimento técnico relevante, saibam resolver conflitos, ter empatia, solucionar problemas práticos, gerir suas emoções e inovar;

• Contribui para a flexibilidade - O profissional flexível não se deixa abater por coisas pequenas, sabe lidar com personalidades diversas (e até difíceis) e se adapta às situações. Assim, ele não se descontrola em momentos de crise;

• Ajuda na identificação de pontos frágeis - O profissional que possui gana está sempre em busca de aprimoramento. Esse constante processo de desenvolvimento requer a identificação de pontos fragilizados e seu consequente fortalecimento;

• Melhora o relacionamento interpessoal - Muitos profissionais são ótimos no que fazem, mas não conseguem desenvolver bons relacionamentos no ambiente profissional com naturalidade. Suas interações são desajeitadas e parecem bajulação, colocando-os numa posição pouco favorável perante os outros.

"A psicoterapia é um processo de reencontro consigo mesmo. O psicólogo faz a mediação entre o paciente e as suas crenças, emoções, conflitos internos e mágoas para que, ao fim do acompanhamento psicológico, ele se torne uma pessoa mais centrada e emocionalmente inteligente . Por conta do distanciamento, talvez estejamos vivendo o momento em que esse cuidado seja mais importante do que nunca", explica Giovani.

 


PsicoManager

Posts mais acessados