Pesquisar Blog Jornal da Mulher

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Jogos de azar: saiba quando um hobby pode se transformar em vício



Atividades que geram dominação e são difíceis de serem controladas podem ser consideradas dependência, explica psicóloga; drama vivido por personagem da novela ‘A Força do Querer’ chama a atenção para doença


É comum e bastante saudável que muitas pessoas tenham um hobby, coisas que gostam de fazer para se distrair e relaxar, como prática de esportes, leitura ou ouvir uma boa música. Porém, há alguns que encontram nos jogos de azar a sua maior diversão e chegam até a criar grupos de apostas. Um exemplo disso é a personagem Silvana (interpretada por Lilia Cabral), da novela “A Força do Querer”, que teve sua diversão transformada em um perigoso vício.

Sarah Lopes, psicóloga do Hapvida Saúde, afirma que tudo o que ameaça escravizar e dominar alguém pode ser considerado um vício – e com os jogos não é diferente. “O gosto pelos jogos deve ser visto como algo saudável e controlado. É preciso perceber a hora de parar e o controle não deve envolver sofrimento, deve ser natural. Por exemplo: pode-se determinar uma quantia ‘x’ para investir em um jogo. Caso vença ou não, isso não fará diferença. A quantia continua sendo esta. O que vai caracterizar o vício é a hora de saber parar, que deve existir", explica.

A especialista destaca que vários fatores podem se somar para desenvolver o vício no indivíduo. Um deles é o desequilíbrio da dopamina, hormônio do prazer, no cérebro, que faz com que o sujeito perca o domínio e não meça as consequências de seus atos.

Sarah destaca que é preciso ter cuidado para saber lidar com o problema e sempre procurar a ajuda de um psicólogo ou psiquiatra, que vai determinar o tratamento mais adequado. “O viciado em jogos nunca está satisfeito, sempre quer mais e mais, mesmo sabendo que depois se sentirá mal por isso. E as principais consequências desse tipo de vício são o prejuízo financeiro e o afastamento da família e dos amigos, que quase sempre leva o indivíduo a um quadro de depressão ou tristeza profunda, e até à ruína financeira”, afirma a psicóloga.

A especialista diz que é preciso estar atento a alguns sinais, como mentiras constantes com o intuito de escapar para jogar, investimentos surreais em apostas, agressividade, falta de sono e penhora de bens importantes ou de valor sentimental em mesas de apostas. Sarah, no entanto, enfatiza que o problema pode ser evitado, bastando tomar alguns cuidados e ficar atento: “O primeiro passo é começar a administrar o que é real e o que não é. Se esses jogos de fato trouxessem fortuna, muitos jogadores estariam afortunados, e, na realidade, isso é rara exceção. Os jogos devem servir como uma distração momentânea, não como uma obrigatoriedade. O hobby deixa de ser hobby quando não envolve mais prazer na atividade”.

Ainda de acordo com a psicóloga, tratamentos com acompanhamento de especialistas podem ajudar muito, dependendo do estágio em que a pessoa estiver. Geralmente, a aplicação de Terapia Cognitivo Comportamental costuma ser a mais eficiente, porém, quando o indivíduo chega a um nível em que não consegue perceber os danos, é necessária uma avaliação psiquiátrica e, até mesmo, uma terapia medicamentosa com a finalidade de equilibrar as substancia cerebrais responsáveis por este comportamento. Há também a alternativa da psicoterapia, que possui um efeito melhor do que as demais. O importante é que, assim que percebidos os sintomas, a própria pessoa ou amigos e familiares procurem especialistas para acompanhamento do tratamento, quando será escolhido o melhor método, de acordo com o diagnóstico apresentado.







Nenhum comentário:

Postar um comentário