Pesquisar este blog

terça-feira, 25 de julho de 2017

Colonoscopia: exame é fundamental no diagnóstico de câncer colorretal



No ano passado, surgiram mais de 34 mil novos casos de câncer colorretal no Brasil. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), a doença é responsável pela morte de mais de 15 mil brasileiros por ano. Alguns fatores aumentam o risco de desenvolvimento da doença, como ter mais de 50 anos, história familiar de câncer colorretal, história pessoal de câncer (já ter tido câncer de ovário, útero ou mama), além de obesidade e sedentarismo. Também são fatores de risco doenças inflamatórias do intestino e determinadas doenças hereditárias – devendo-se evitar o consumo de bebias alcoólicas, carnes processadas e embutidos, principalmente. Vale dizer que o câncer colorretal pode ser tratado e curado quando identificado logo no início. Daí a importância cada vez maior do diagnóstico precoce, que costuma ser realizado através do exame de colonoscopia.

Até bem pouco tempo atrás, a eficácia da colonoscopia em homens e mulheres de médio risco para câncer colorretal era desconhecida. Hoje já se sabe que esse exame – que pode ser explicado como uma ‘endoscopia do intestino’ – permite identificar anormalidades no ânus, reto, cólon sigmoide e porção distal do cólon descendente. Estudos realizados na Universidade de Pensilvânia (Estados Unidos) mostram que a colonoscopia pode reduzir em até 70% o risco de câncer colorretal avançado quando indicada a pacientes de médio risco. De acordo com Edson Ide, médico endoscopista do CDB Medicina Diagnóstica, em São Paulo, a colonoscopia permite a visibilidade de todo o intestino grosso, sendo o método de escolha para o diagnóstico e a prevenção do câncer colorretal avançado, reduzindo drasticamente a taxa de mortalidade nos pacientes selecionados.

O especialista explica que a colonoscopia permite o diagnóstico de pólipos, tumores benignos, focos de sangramento, câncer na fase inicial, além de uma série de doenças benignas como, por exemplo, a doença inflamatória intestinal. “Esse exame é um meio muito eficaz de detectar e tratar, removendo tumores benignos com potencial maligno ou mesmo o câncer em sua fase mais precoce. É realizado por um médico especialista, com o paciente sedado. Trata-se de um procedimento muito seguro e indolor”.

Ainda de acordo com o INCA, há uma grande chance de cura quando o câncer colorretal é diagnosticado precocemente – sendo que a remoção dos pólipos antes que se tornem malignos é de fundamental importância. Na presença de alguns sintomas, como diarreia, cólicas ou gases persistentes, presença de sangue ou pus nas fezes, mudança na coloração e textura das fezes, perda de peso sem razão aparente (principalmente seguida de cansaço, náuseas e vômitos), é importante procurar orientação médica.





Fonte: Dr. Edson Ide - médico endoscopista do CDB Medicina Diagnósticawww.cdb.com.br





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Posts mais acessados