Pesquisar Blog Jornal da Mulher

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

5 curiosidades que você não sabia sobre o Centro de Portugal



 Morcegos que são guardiões de uma biblioteca e a maior onda do mundo fascinam viajantes


Visitar a região do Centro de Portugal permite explorar lugares diferentes em seus mínimos detalhes, mergulhar na rica história de monumentos e personagens e apreciar fenômenos únicos da natureza. Os fatos curiosos são inúmeros e vão desde ondas gigantes a charmosos vilarejos que inspiraram cantores famosos.

Para ajudar os viajantes nessa divertida missão, separamos cinco curiosidades imperdíveis deste destino fascinante.


1 – A maior onda do mundo já surfada, o Canhão de Nazaré

Uma gigantesca fenda no fundo do oceano faz com que, no outono, a cidade de Nazaré se torne palco de um dos mais impressionantes espetáculos da natureza. Ondas gigantes se chocam contra a costa atraindo surfistas para verdadeiros desafios, como o esportista Garret Macnamara, que, em 2011, surfou uma onda de 23,77 metros – o equivalente a um prédio de oito andares. O fato foi tão impressionante que acabou entrando para o livro dos recordes.


2 – A cidade que inspirou a canção “Menina da Ria”, de Caetano Veloso

Com mais de 50 anos de carreira, Caetano já se inspirou em grandes cidades para compor suas músicas, como a capital paulista para a canção “Sampa” e Londres para a poética “London London”. Em 2008, foi a vez de Portugal: durante um show em Aveiro, o cantor se comprometeu a fazer uma canção sobre a bela cidade. Ele compôs a faixa “Menina da Ria” fazendo um paralelo divertido com sua já consagrada composição “Menino do Rio”. A música integrou o álbum Zii e Zie, como uma singela homenagem do compositor brasileiro à “Veneza Portuguesa”. 


3 – Morcegos guardiões da Biblioteca Joanina

Localizada dentro da Universidade de Coimbra, essa biblioteca possui um acervo com cerca de 200 mil livros, com coleções raríssimas dos séculos XVI, XVII e XVIII. Proteger esse patrimônio é um verdadeiro desafio, que vai desde o cuidado rigoroso com a temperatura e umidade até o controle de pragas como as traças. Para combater esse inseto inconveniente, a biblioteca possui curiosos aliados: morcegos. À noite, eles se alimentam dos diversos bichinhos que corroem os papéis, mantendo todos os exemplares a salvo.


4 –  Trajes acadêmicos de Coimbra

O traje acadêmico é um dos maiores símbolos da tradição universitária em Coimbra. O uniforme é usado desde o século XV para diferenciar os estudantes das demais pessoas. Com o passar do tempo, a roupa sofreu diversas alterações, mas, ainda hoje, vestir a capa e a batina de uma das universidades mais antigas do mundo é sinônimo de prestígio. A vestimenta é acompanhada por uma pasta onde é presa uma espécie de novelo feito com fitas da cor do curso do aluno. Dizem até que foi inspiração para os uniformes de Hogwarts, da série de livros e filmes Harry Potter.


5 – As muralhas de Óbidos

Dentre as vilas da região, Óbidos se destaca por ser uma verdadeira fortaleza. Seu aspecto medieval chama a atenção principalmente por sua muralha imponente, construída para afastar os inimigos ainda na época do domínio dos mouros. Utilizadas também para o rápido deslocamento de soldados, hoje as muralhas são usadas pelos turistas que visitam a cidade para terem uma bela visão panorâmica do vilarejo e seu entorno, embarcando em uma verdadeira viagem no tempo no instante em que se atravessa seus portões.


Sobre o Centro de Portugal

A mais charmosa região portuguesa é cheia de destinos populares: Aveiro, Coimbra, Viseu, Nazaré, Óbidos, Tomar, Fátima e tantos outros. Suas belezas se estendem por todo o território - ocupado por 2,3 milhões de habitantes que têm o dom de bem receber. O Centro de Portugal possui inúmeros patrimônios da UNESCO, um litoral que é um paraíso do surfe, aldeias históricas, gastronomia riquíssima, vinhos inesquecíveis, natureza exuberante e muita cultura, que se somam a incontáveis motivos para uma visita. A principal cidade, Coimbra, está a apenas 200 quilômetros de Lisboa e a 135 quilômetros do Porto. 




Nenhum comentário:

Postar um comentário