Pesquisar no Blog

Mostrando postagens classificadas por data para a consulta anfarmag. Classificar por relevância Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens classificadas por data para a consulta anfarmag. Classificar por relevância Mostrar todas as postagens

sábado, 31 de outubro de 2020

IMPACTO DA PANDEMIA NOS NEGÓCIOS DAS FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO

A Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais - Anfarmag vem realizando levantamentos mensais junto aos proprietários das farmácias de manipulação associadas entre março e setembro deste ano, tendo recebido cerca de 2.000 respostas no total. Os resultados não só reforçam o perfil resiliente do setor frente às crises, como demonstram o papel fundamental do segmento dentro do contexto de prestação de serviços de saúde essenciais.

Durante a crise sanitária, apesar de enfrentarem inúmeras adversidades como outros segmentos da economia, as farmácias de manipulação vêm sendo muito demandadas pela sociedade. “Ao longo dos últimos meses, as farmácias de manipulação tanto atuaram para suprir a população de produtos e medicamentos que ficaram mais escassos no mercado, como tiveram participação ativa junto a médicos e outros profissionais de saúde no desenvolvimento de fórmulas sob medida para pacientes entubados e na atenção a pacientes crônicos ou agudos que não podiam ser desassistidos”, explica o diretor executivo da Anfarmag, Marco Fiaschetti.

O mês mais difícil para o setor foi abril, quando 63% dos empresários relataram uma redução no volume de fórmulas vendidas. Houve, entretanto, uma rápida reação das empresas, que, de maio em diante, passaram a relatar crescimento desse indicador.

O melhor mês foi julho, quando 75% apontaram aumento no volume de venda, seguido por flutuações em agosto e setembro.

A maioria das empresas manteve estável o quadro de funcionários ao longo de todo esse período, sendo que, no pior mês (março), 20,4% precisaram demitir ao menos um colaborador. No entanto, de maio em diante começaram a ganhar destaque as empresas que contrataram novos funcionários. Em julho, as empresas que afirmavam ter realizado uma ou mais contratações somavam 31%.

Para evitar as demissões e minimizar os riscos de contaminação da equipe, principalmente no início da pandemia, parte das farmácias adotaram medidas especiais, a exemplo de concessão de férias, redução da jornada de trabalho, suspensão temporária de parte ou toda a equipe e adoção de turnos de 12h por 36h.

Se nos dois primeiros meses do levantamento a “queda de vendas e do faturamento” dividia espaço com “disponibilidade e preço dos insumos” na disputa pelo posto de principal desafio enfrentado pelo setor, este último fator rapidamente se tornou predominante, preocupando 61,7% dos empresários em setembro.

 

Principais dados do setor de farmácias de manipulação

levantados pelo Panorama Setorial Anfarmag 2020

 

  • O Brasil tem cerca de 8000 farmácias de manipulação (7939 em dezembro de 2019 e 8.057 no levantamento parcial de 2020)
  • 96,6% das farmácias de manipulação faturam menos de R$ 3,6 milhões ao ano – dado que confirma a predominância de empresas de pequeno porte
  • 79,8% dos estabelecimentos são matrizes e 20,3% são filiais.
  • O faturamento médio das farmácias de manipulação é de R$ 876 mil ao ano.
  • A idade média das empresas do setor é de 16 anos e 11 meses, dado muito relevante quando comparado à idade média das empresas brasileiras, que atualmente está entre 5 e 7 anos.
  • Verifica-se que o valor do salário médio em todas as regiões, em valores corrigidos pelo IPCA-IBGE, obteve ganho real de 8,7% acima da inflação
  • Houve queda no número de funcionários de menor escolaridade e, quanto maior a formação, maior foi o crescimento de vagas nos últimos 24 meses. O número de funcionários com mestrado ou doutorado subiu quase 50%.
  • O maior crescimento em número de funcionários foi o da região Norte, com aumento de 11%, seguido do Centro-oeste, com 10,4%.”
  • A faixa etária predominante dos funcionários encontra-se entre 30 e 39 anos, o que corresponde a 33,3% do número total de carteiras assinadas.
  • Apenas 11,6% encontram-se registrados em organizações com mais de 100 funcionários. Quase um terço dos empregos do setor são oferecidos por empresas que têm entre 20 e 49 funcionários.
  • Mais de 70% do segmento de farmácias de manipulação é ocupado pelo sexo feminino.
  • De todo faturamento anual, 27,4% do faturamento estão distribuídos em 66% dos CNPJ do setor, com receita bruta de até R$ 700 mil. Já as empresas com receita bruta anual entre R$ 701 mil e R$ 3,6 milhões, que representam 30,6% dos CNPJ ativos, concentram 40,2% do faturamento.
  • O setor faturou R$ 6,96 bilhões em 2019.
  • O número de farmácias de manipulação aumentou em 6% nos últimos dois anos e 14,5% desde 2014.
  • A margem de crescimento relativo do setor foi de 5,8% acima da inflação, enquanto a evolução do PIB brasileiro foi de apenas 2,2%.
  • O setor conta com 57.827 postos de trabalho com carteira assinada.
  • O setor arrecada R$ 492 milhões ao ano em impostos.

segunda-feira, 26 de outubro de 2020

Conheça os quatro benefícios dos medicamentos manipulados

 A Fórmula Farmácia de Manipulação listou os principais motivos que vão te fazer escolher essa opção


No cotidiano, estamos sempre acostumados a correr para as farmácias populares em busca de medicamentos, e de fato, em situações mais simples essa pode até ser uma boa opção. No entanto, em casos mais específicos, procurar por remédios ou suplementos manipulados podem ser mais eficazes.

De acordo com os dados da Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais (Anfarmag), cerca de 100 mil médicos e dentistas prescrevem, pelo menos uma vez por ano, uma fórmula para ser elaborada numa farmácia de manipulação. Segundo o levantamento, as 7,8 mil farmácias registradas nos Conselhos Regionais de Farmácia atendem aproximadamente 60 milhões de pessoas por ano.

Pensando nisso, a Diretora Técnica da franquia de Salvador da A Fórmula Farmácia de Manipulação, Anick Cunha, listou quatro benefícios em relação aos medicamentos industrializados:

• Próprio para cada paciente

Os manipulados são em dosagens exatas, ou seja, podem ter miligramas variados, como 40mg, 60mg, enquanto os industrializados são de 50mg, 100mg, 150mg e assim por diante. Dessa forma o paciente não precisa se adequar ao remédio, e sim, o contrário.

• Diferentes formas farmacêuticas

No geral, em farmácias populares os remédios são em forma de comprimido ou xarope, os manipulados possuem outras opções, que incluem chocolates, gomas e até mesmo pirulitos, assim cada paciente pode escolher o que melhor se adequa a ele.

• Junção de mais de um componente

Em alguns casos, o paciente tem como recomendação médica o uso de mais de um medicamento, e por isso ele pode acabar se perdendo nos horários que devem ser tomados ou até mesmo esquecer de algum. Com o manipulado, pode haver a opção de juntar todos os componentes necessários em uma única formulação.

• O valor pode ser mais benéfico

Assim como no item citado acima, o fato de poder juntar mais de um remédio em um único, pode fazer com que o valor seja mais vantajoso, já que ao invés de comprar vários, com preços variados, pode ser feito apenas um com preço fixo.

"Com essas informações ficará mais claro decidir o melhor lugar para confiar a sua saúde e garantir que o medicamento seja feito com mais cuidado e específico para cada necessidade", finaliza Anick Cunha.



A Fórmula


quarta-feira, 29 de julho de 2020

Farmácias de manipulação sofrem com aumento exacerbado no preço das matérias-primas de medicamentos

 Segundo pesquisa realizada pela Associação Nacional dos Farmacêuticos Magistrais (Anfarmag), 65,4% das empresas associadas apontam dificuldades com disponibilidade e alta no valor dos insumos em junho


Os farmacêuticos e proprietários de farmácias de manipulação de todo o Brasil estão sofrendo com uma inflação bastante significativa da cadeia fornecedora de seus estabelecimentos, especialmente nos últimos quatro meses. Segundo o farmacêutico e diretor executivo da Anfarmag, Marco Fiaschetti, desde o começo da pandemia, um conjunto de matérias-primas que estão sendo muito requisitadas pela sociedade sofreram reajustes que chega a mais de 2.000%.  “Quando as farmácias os questionam os novos preços, os fatores que os fornecedores alegam são a alta do dólar e o crescimento mundial na demanda de substâncias que tenham sido associadas ao coronavírus”, revela. "Justificado ou não, esse aumento preocupa o empresariado que está à frente desses estabelecimentos, pois pode inviabilizar a continuidade de tratamentos essenciais que muitos pacientes precisam".

A situação impacta diretamente a população, pois muitas pessoas necessitam de doses específicas dessas substâncias para se tratar. “Os farmacêuticos ficam em uma situação complicada, já que dependem completamente das matérias-primas para atender adequadamente os pacientes. É importante entender que essa inflação afeta um serviço de saúde essencial, pois, em muitos casos, os medicamentos manipulados são a única solução ideal de tratamento”, conta Fiaschetti.

 

Em pesquisa realizada com as farmácias de manipulação associadas à Anfarmag, há quatro meses, no início da pandemia, 40,1% dos entrevistados já apontavam dificuldade com disponibilidade e preço de insumos. Em junho, o percentual subiu para 65,4%. “É importante reforçar que as farmácias de manipulação são estabelecimentos de menor porte e compram pequenas quantidades, o que afeta a dificuldade para negociar os preços de insumos. É comum ter que administrar por volta de 2 mil itens no estoque da farmácia, já que a especialidade do setor é a personalização dos tratamentos. Como são pequenas empresas, as farmácias não compram estoques para um ano, não compram caminhão de matéria-prima. Cada vez que precisam se abastecer no mercado de provimento, o preço das substâncias está maior. O dilema que essas empresas vivem atualmente é que ou a farmácia repassa o aumento integral ou parcialmente para o consumidor ou deixar de preparar esses medicamentos, desassistindo a população”, conclui Fiaschetti.


segunda-feira, 23 de março de 2020

Coronavírus - Cloroquina e hidroxicloroquina - Farmácias de Manipulação à disposição do governo para preparar medicamentos com essas substâncias


Farmácias de Manipulação se colocam à disposição do Governo Federal e dos governos estaduais para preparar medicamentos com cloroquina e hidroxicloroquina

A partir desta segunda-feira, 23 de março, a Anfarmag - associação que representa as farmácias de manipulação - está abrindo diálogo com o Ministério da Saúde e os governos estaduais de todo o país para, dentro do esforço coletivo de combate ao novo coronavírus, colocar à disposição do poder público a expertise do setor para o preparo de medicamentos à base de cloroquina e hidroxicloroquina.

O objetivo é possibilitar que esses medicamentos cheguem com agilidade aos centros de saúde que optarem por essa linha de tratamento, fazendo uso da capilaridade do segmento. Existem no Brasil cerca de 8.000 farmácias de manipulação distribuídas por todos os estados do país. Com capacidade de produção, experiência e profissionais especializados, elas têm condições de preparar e entregar esses produtos, no mesmo dia, em diferentes doses e formas farmacêuticas.

Para o farmacêutico e diretor executivo da Anfarmag, Marco Fiaschetti, a farmácia de manipulação é fundamental no amparo à sociedade em um momento como esse, especialmente para atender todos os perfis de pacientes, uma vez que sua especialidade é a terapêutica individualizada - ou seja, preparar medicamentos sob medida. "É importante entender que crianças, idosos ou pacientes entubados não conseguem engolir cápsulas e comprimidos, então, além das cápsulas convencionais, a farmácia pode preparar soluções líquidas para garantir o tratamento dessas pessoas", explica.

Além da aplicação do medicamento para pacientes com covid-19, as farmácias podem contribuir para preparar medicamentos que supram a demanda de pacientes crônicos (lúpus e doenças reumáticas), que fazem uso contínuo dessas substâncias e se viram desabastecidos em meio à corrida pelo medicamento que ocorreu na última semana.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2019

Medicação e bebida alcoólica uma combinação segura?





bridgesward por Pixabay
Gelza de Araujo, Presidente da Associação Nacional dos Farmacêuticos Magistrais no Rio de Janeiro, tira as principais dúvidas sobre medicamento e álcool




bridgesward por PixabayO Happy Hour faz parte da rotina do brasileiro e com muita frequência, essa diversão envolve o consumo de bebida alcoólica. A principal dúvida que surge para quem está tomando medicação é: será que posso beber? Mas o que a maioria esquece é que o anticoncepcional do dia a dia também é uma medicação. Será que perde o efeito após uma bebedeira? 


Para sanar essas e outras questões, Gelza Araujo, farmacêutica da Anfarmag – Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais e presidente da regional Rio de Janeiro, explica que as consequências da interação entre álcool e medicamentos dependem de vários fatores. Entre eles está a composição do medicamento, o organismo do paciente e a quantidade de álcool ingerida. Por isso, de forma geral, a recomendação é evitar misturar álcool com medicamento. 

As mulheres que tomam anticoncepcional devem conversar com o médico para usar um método contraceptivo complementar, já que, com a bebida, o efeito pode cair até pela metade. Gelza alerta: “Os anticoncepcionais podem ter tempos variados de permanência no organismo antes de serem eliminados, com duração que varia entre 12 a 24 horas ou mais, dependendo da substância, e isso gera riscos, já que a mulher pode achar que está protegida e ter atividade sexual sem preservativo.”

Para grande parte dos medicamentos o principal órgão prejudicado é o fígado, que metaboliza, por meio das enzimas que produz, o álcool, ficando sobrecarregado. O álcool também afeta especialmente o sistema nervoso central, que comanda nossas ações, alterando substancialmente as capacidades cognitivas estruturais e comportamentais.

Como a bebida altera o metabolismo, o tempo de eliminação do medicamento será alterado, podendo ocorrer antes ou depois do previsto, com possibilidade de prejudicar o tratamento. Aumenta a gravidade quando são utilizadas drogas para tratar problemas neurológicos e psiquiátricos, pois o álcool em geral potencializa o efeito dessas substâncias. “Antidepressivos agem diretamente no sistema nervoso central. Inicialmente, as bebidas alcoólicas aumentam o efeito do antidepressivo, deixando a pessoa mais estimulada; porém, após passar o efeito da bebida, os sintomas da depressão podem aumentar. Já quando os ansiolíticos são misturados ao álcool aumenta o efeito sedativo, deixando a pessoa inabilitada para conduzir um veículo por exemplo, além de uma maior probabilidade de efeitos adversos graves, a exemplo de coma e insuficiência respiratória”, explica a farmacêutica. 

A mistura de antibióticos e álcool, por sua vez, pode causar desde vômitos, palpitação, cefaleia, hipotensão, dificuldade respiratória até a morte. “Esse tipo de reação seria mais comum com as substâncias metronidazol; trimetoprima-sulfametoxazol, tinidazole e griseofulvin. Já outros antibióticos – como cetoconazol, nitrofurantoína, eritromicina, rifampicina e isoniazida – tampouco devem ser tomados com cerveja e afins pelo risco de inibição do efeito e potencialização de toxicidade hepática”, diz a especialista. 

Gelza completa explicando o efeito com analgésicos e antitérmicos. “O efeito do álcool pode ser potencializado e a velocidade de eliminação do medicamento do organismo será maior, diminuindo seu efeito. Nos casos mais graves, o uso do álcool com paracetamol pode danificar o fígado, uma vez que ambos são metabolizados nesse órgão. Já a mistura com ácido acetilsalicílico pode causar, em casos extremos, hemorragia estomacal, pois ambos irritam a mucosa estomacal”

“Portanto, na dúvida, a regra é: não misturar álcool com nenhum tipo de medicamento”, finaliza a farmacêutica.  A medicação não pode ser desculpa para faltar a reunião de amigos, afinal, o mais importante nestas festas é o carinho, a atenção e a comemoração por terem passado mais um ano juntos e felizes. 





Gelza Araujo - Farmacêutica com habilitação industrial, graduada na UFF, com 20 anos de vivência no segmento magistral. Neste tempo atuou como responsável técnica de uma rede de farmácias do Rio de Janeiro, trabalhando com desenvolvimento de produtos, treinamento de equipes de produção e propaganda, elaboração de material técnico-informativo, representação junto aos órgãos fiscalizadores e atendimento a clientes e prescritores. Após 17 anos de trabalho no setor focou-se no trabalho de consultoria, levando este conhecimento acumulado para outras empresas. Desde 2017 atua exclusivamente com consultoria tendo a oportunidade de conhecer farmácias por todo o Brasil e entender as várias nuances e perfis de trabalho.




Anfarmag - Associação Nacional de Farmacêuticos

terça-feira, 10 de dezembro de 2019

Álcool e medicamento: uma mistura que requer cuidados nas festas de fim de ano


Vagner Miguel, farmacêutico da Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais, tira as principais dúvidas sobre o assunto

 Bridgesward por Pixabay


Dezembro já chegou e, com ele, as confraternizações de fim de ano, os happy hours com os amigos, o Natal e o ano novo. Com muita frequência, essas comemorações envolvem o consumo de bebida alcoólica. A principal dúvida que surge para quem está tomando medicação é: será que posso beber? E o anticoncepcional, será que perde o efeito? Quais serão as consequências da interação da bebida com o antidepressivo? 

Para sanar essas e outras questões, Vagner Miguel, farmacêutico da Anfarmag – Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais –, explica que as consequências da interação entre álcool e medicamentos dependem de vários fatores. Entre eles está a composição do medicamento, o organismo do paciente e a quantidade de álcool ingerida. Por isso, de forma geral, a recomendação é evitar misturar álcool com medicamento. O principal órgão prejudicado é o fígado, que metaboliza, por meio das enzimas que produz, o álcool e grande parte dos medicamentos, ficando sobrecarregado. O álcool também afeta especialmente o sistema nervoso central, que comanda nossas ações, alterando substancialmente as capacidades cognitivas estruturais e comportamentais.

Como a bebida altera o metabolismo, o tempo de eliminação do medicamento será alterado, podendo ocorrer antes ou depois do previsto, com possibilidade de prejudicar o tratamento. Aumenta a gravidade quando são utilizadas drogas para tratar problemas neurológicos e psiquiátricos, pois o álcool em geral potencializa o efeito dessas substâncias. “Antidepressivos agem diretamente no sistema nervoso central. Inicialmente, as bebidas alcoólicas aumentam o efeito do antidepressivo, deixando a pessoa mais estimulada; porém, após passar o efeito da bebida, os sintomas da depressão podem aumentar. Já quando os ansiolíticos são misturados ao álcool aumenta o efeito sedativo, deixando a pessoa inabilitada para conduzir um veículo por exemplo, além de uma maior probabilidade de efeitos adversos graves, a exemplo de coma e insuficiência respiratória”, explica o farmacêutico. 

As mulheres que tomam anticoncepcional devem conversar com o médico para usar um método contraceptivo complementar, já que, com a bebida, o efeito pode cair até pela metade. Vagner alerta: “Os anticoncepcionais podem ter tempos variados de permanência no organismo antes de serem eliminados, com duração que varia entre 12 a 24 horas ou mais, dependendo da substância, e isso gera riscos, já que a mulher pode achar que está protegida e ter atividade sexual sem preservativo.”

A mistura de antibióticos e álcool, por sua vez, pode causar desde vômitos, palpitação, cefaleia, hipotensão, dificuldade respiratória até a morte. “Esse tipo de reação seria mais comum com as substâncias metronidazol; trimetoprima-sulfametoxazol, tinidazole e griseofulvin. Já outros antibióticos – como cetoconazol, nitrofurantoína, eritromicina, rifampicina e isoniazida – tampouco devem ser tomados com cerveja e afins pelo risco de inibição do efeito e potencialização de toxicidade hepática”, diz o especialista. 

Vagner completa explicando o efeito com analgésicos e antitérmicos. “O efeito do álcool pode ser potencializado e a velocidade de eliminação do medicamento do organismo será maior, diminuindo seu efeito. Nos casos mais graves, o uso do álcool com paracetamol pode danificar o fígado, uma vez que ambos são metabolizados nesse órgão. Já a mistura com ácido acetilsalicílico pode causar, em casos extremos, hemorragia estomacal, pois ambos irritam a mucosa estomacal”

“Portanto, na dúvida, a regra é: não misturar álcool com nenhum tipo de medicamento”, finaliza o farmacêutico.  A medicação não pode ser desculpa para faltar a reunião de amigos, afinal, o mais importante nestas festas é o carinho, a atenção e a comemoração por terem passado mais um ano juntos e felizes. 

Vagner Miguel - Gerente Técnico e de Assuntos Regulatórios da Anfarmag (Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais), farmacêutico, palestrante e docente. Formado pela Unesp como farmacêutico em 1985, o profissional pós graduou-se em Gestão pela Trevisan e em Engenharia Farmacêutica Cosmética pelo Instituto Racine. 



Anfarmag - Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais


Posts mais acessados