Pesquisar este blog

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Silencioso, aneurisma cerebral atinge 6% da população mundial



Ausência de sintomas dificulta diagnóstico precoce
 
​​O aneurisma cerebral permanece como uma das principais causas do acidente vascular cerebral hemorrágico (AVCH), atingindo cerca de 6% da população mundial. O médico neurorradiologista intervencionista Gelson Koppe, do Hospital VITA, em Curitiba, conta que o problema ocorre devido a um defeito na parede da artéria, local que submetido a pressão constante do sistema arterial, concorre com a formação de uma dilatação e cria uma espécie de bolha, formando o aneurisma. Como as paredes do aneurisma não têm a mesma estrutura da parede arterial normal, aumenta o risco de que a parede se rompa e provoque um sangramento dentro do crânio (aneurisma roto). “Infelizmente na maioria dos casos só é diagnosticado após o sangramento, sem sintomas que possam proporcionar um diagnóstico precoce”, destaca.

Segundo o especialista, a melhor forma de prevenção é a busca ativa (diagnóstico precoce), onde os fatores genéticos e hábitos de vida são marcantes no desenvolvimento do aneurisma (tabagismo, diabetes, hipertensão arterial, uso de drogas). “Os pacientes que possuem casos de aneurisma e AVC hemorrágico na família devem fazer um acompanhamento e busca diagnóstica com profissional especializado pois possuem eles 9,5% mais chances de ter um aneurisma”, ressalta o médico.

Dr. Gelson explica que a proporção de homens para mulheres é de 1:2, especialmente nas mulheres após os 50 anos. Além disso, mais de 90% dos aneurismas têm menos de 10 mm de diâmetro e por isso podem passar despercebidos em exames usuais.


Sintomas

Forte e repentina dor de cabeça, enjoos, vômitos, perda de consciência, formigamento, perda da força em um dos membros e desmaios são alguns dos sinais mais frequentes do rompimento de um aneurisma. Devido à gravidade da hemorragia cerebral provocada pela ruptura do aneurisma, o tratamento deve ser realizado imediatamente. “Quanto mais rápido for o atendimento e tratamento por um grupo especializado, maiores são as chances para o paciente”, alerta Dr. Gelson. 


Tratamento

A maioria dos casos têm sido tratados por um procedimento endovascular chamado embolização. O paciente recebe uma anestesia local na virilha, onde é feita uma punção com agulha para introduzir os cateteres, microcateteres e microguias chegando ao cérebro por dentro da artéria até o aneurisma, onde serão introduzidos os “coils” (materiais metálicos parecidos com molas de platina que preenchem o aneurisma, como um novelo de lã). Preenchido o espaço, o sangue deixa de circular naquela dilatação (aneurisma) e não haverá mais pressão sobre as paredes do vaso, evitando as rupturas. O aneurisma ainda pode ser tratado com a colocação de uma prótese dentro do vaso (stents diversores de fluxo) a fim de desviar o fluxo de sangue e propiciar a progressiva trombose do saco do aneurisma. “Essas são as técnicas mais modernas, mais eficazes e menos invasivas para tratar os aneurismas”, relata o médico. 

Entre as principais vantagens da técnica endovascular, Dr. Gelson salienta o curto tempo cirúrgico, média de uma hora, e em apenas dois dias o paciente já pode ir para casa, sendo que em uma semana, já pode voltar às atividades normais, sem esforços físicos. 

“O procedimento é muito menos agressivo, já que não é necessário abrir o crânio do paciente. Minimiza-se assim, o risco de infecção hospitalar e outras complicações”, evidencia.




Hospital VITA 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Posts mais acessados