Pesquisar Blog Jornal da Mulher

segunda-feira, 17 de julho de 2017

VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA: uma realidade brasileira



A violência obstétrica é um assunto que vem sendo discutido frequentemente, e que há um grande número de ocorrência. Muitas mulheres são vítimas de abusos que podem acontecer desde o pré-natal, em unidades de saúde, passando pela pessoa que fará a triagem e recepção da gestante no hospital, até a equipe médica, quando impõe suas condutas e procedimentos durante o parto. 

Basicamente ela se caracteriza por tratamentos desumanos à gestante durante a gravidez, no momento do parto, que inclui o trabalho de parto, o parto em si e o pós-parto. Segundo o ginecologista e obstetra, Alberto Guimarães, é preciso mudar o conceito do parto, a melhor forma de atendimento com as gestantes é transformar uma equipe multidisciplinar que atenda de forma humanizada para trazer ao mundo aquele bebê tão esperado.

“O trabalho de parto humanizado é aquele em que o evento maior que é de se parir, é realizado pela mulher. A mulher colocada como protagonista deste evento, uma pessoa que tem e teve seu desejo respeitado, teve suas necessidades atendidas. Tais quais, principalmente, a ideia de acompanhante por ela escolhida, um ambiente acolhedor, pouca luz, pouca gente circulando nesse meio, possibilidade dela ingerir alimentos se ela desejar, de caminhar durante o trabalho de parto, de ter uma ajuda, a colaboração da doula com massagens para diminuir o desconforto e dar apoio”, enfatiza Guimarães.


Dados: Segundo pesquisa divulgada pela Fundação Perseu Abramo, em parceria com o SESC, uma em cada quatro mulheres dizem sofrer violência durante a gestação ou o parto. Esse número ainda pode ser pequeno uma vez que muitas vezes essas agressões passam despercebidas pelas grávidas.  


O que caracteriza? Atos como recusa no atendimento, agressões verbais, privação de acompanhante, episiotomia, uso abusivo de medicamentos, a perda da mulher da autonomia do seu corpo e de sua capacidade de decisão e separação da mãe e do bebê, quando saudável, são algumas destas violências. 


Como denunciar? A mulher que identificar a violência obstétrica deve, imediatamente, denunciar. Ela precisa, além de anotar tudo que sofreu, pedir cópias dos prontuários seu e do bebê e buscar ajuda de um advogado para garantir que seus direitos sejam respeitados.





Dr. Alberto Guimarães - Ginecologista e obstetra, defensor dos conceitos de parto humanizado, o médico encabeça a criação do Programa Parto Sem Medo, um novo modelo de assistência à parturiente onde enfatiza que o parto é um evento de máxima feminilidade e a mulher e o bebê devem ser os protagonistas. Formado pela Faculdade de Medicina de Teresópolis e mestre pela Escola Paulista de Medicina (UNIFESP), atualmente exerce o cargo de gerente médico para humanização do parto e nascimento do Centro de Estudos e Pesquisas Dr. João Amorim, CEJAM, em maternidades municipais de São Paulo para o Programa Parto Seguro à Mãe Paulistana.




Nenhum comentário:

Postar um comentário