Pesquisar Blog Jornal da Mulher

segunda-feira, 3 de julho de 2017

A importância da doação de sangue



Para entender a importância da doação do sangue é necessário, primeiramente, entende-lo. O sangue é o tecido do ponto de vista funcional, é o meio líquido que flui pelo sistema circulatório entre os diversos órgãos, transportando nutrientes, hormônios, eletrólitos, água, resíduos do metabolismo celular e outras substâncias. 

O sangue tem múltiplas funções e entre elas está a nutrição de todos os tecidos do organismo, pois transporta o oxigênio dos pulmões aos tecidos e ao retornar, o sangue conduz o dióxido de carbono e os demais  resíduos do metabolismo celular para eliminação através da respiração, suor, urina ou fezes. Outra função é o sistema de defesa  do organismo contra doenças e a invasão de germes patogênicos, a regulação da coagulação e da temperatura corporal. 

Diante dessas funções, podemos afirmar que o sangue é de suma importância e sem ele não há vida, já que o sangue não é fabricado artificialmente, é insubstituível e o ser humano é a sua  única fonte.

A coleta de sangue no Brasil é de aproximadamente 3,6 milhões de bolsas coletadas ao ano, o  que corresponde a 1,8 % da população geral. Segundo a OMS - Organização Mundial da Saúde, o ideal é 3,5 a 5 % ao ano. Portanto, o Brasil está abaixo dos valores recomendados e nos períodos de inverno e férias, a falta de sangue nos hospitais é ainda maior.

Para ser um doador de sangue é preciso atender a algumas normas nacionais e internacionais,  como ter boas condições físicas, idade entre 16 e 69 anos, peso mínimo de 50 quilos, estar descansado - ter dormido seis horas nas últimas 24 horas, estar alimentado e levar um documento com foto. As doações devem ter um intervalo de 60 dias para os homens e de 90 dias para as mulheres.

Algumas condições podem ser impedimentos temporários para a doação, como resfriado - só pode doar após sete dias dos sintomas; nos casos que envolvem gravidez somente 90 dias após o parto, ingestão de bebida alcoólica nas 12 horas que antecedem a doação; tatuagem ou maquiagem definitiva nas últimas 12 horas; situação de risco de DST - Doença Sexualmente Transmissível, aguardar 12 meses; doadores que estiveram em região endêmica de malária precisam aguardar 12 meses; procedimentos endoscópicos, endoscopia digestiva alta, colonoscopia somente após seis meses; extração dentária há impedimento de sete dias; cirurgia odontológica, quatro meses; acupuntura com laser e material descartável, após 24 horas e com material  sem condições de avaliação, após 12 meses; vacina contra gripe depois de 48 horas; herpes labial e genital somente após o desaparecimento total e herpes Zoster depois de seis meses da cura; febre amarela com vacina esperar quatro meses e com doença, aguardar seis meses. 

Outros fatores são impedimento definitivo para doação - hepatite após 11 anos de idade; evidência clínica e laboratorial de hepatite B, C; AIDs, HTLV1/2 e doença de chagas; uso de drogas ilícitas injetáveis e malária.





Dra Silvia Pazmiño - Hematologista do Hospital Santa Casa de Mauá




                                                                                                                                                        

Nenhum comentário:

Postar um comentário