Pesquisar este blog

terça-feira, 20 de junho de 2017

Luzes de aparelhos eletrônicos interferem na qualidade do sono



 Segundo a especialista Dra. Luciane Mello, uso excessivo de celulares e outros equipamentos antes de dormir pode resultar em um sono pouco reparador 




A oferta de aparelhos eletrônicos é cada vez maior o que contribui com a mudança de hábitos das pessoas e interfere diretamente na qualidade do sono. Segundo levantamento feito pela Agência Internacional We Are Social, o brasileiro gasta por dia 5 horas e 26 minutos na internet, via computador ou tablet, e outras 3 horas e 46 minutos conectado pelo celular. Com isso, conclui-se que muitos dedicam mais tempo à conectividade do que a uma noite de sono.

 Dra. Luciane Mello, especialista do sono responsável pelo Ambulatório do Ronco e Apneia e pelo Serviço de Polissonografia, ambos do Hospital Federal da Lagoa (RJ), explica que o recomendado pela Academia Americana de Medicina do Sono é que devemos dormir pelo menos 7 horas. Isso é tão importante para a nossa saúde quanto a alimentação e a prática de exercícios físicos. Ficar no celular antes de dormir ou manter a televisão ligada durante a noite reduzem a qualidade do sono, pois ao entrar em contato com a luz emitida pelas telas, nosso cérebro entende que ainda não é a hora de descansar.

 Pesquisadores da Uni Research Health, analisaram quase 10 mil adolescentes entre 16 e 19 anos, e concluíram que o contato com qualquer tipo de tela pouco antes de dormir foi prejudicial para os jovens que participaram do levantamento. Identificaram ainda que, quanto mais tempo eles passaram em frente a estas telas, maior a perturbação e menor a duração do sono.

 Ainda de acordo com Dra. Luciane, a luz é um bom regulador do nosso relógio biológico, pois, dentre outras funções, inibe a melatonina, hormônio que naturalmente liberamos e que induz o adormecer. “Por isso, é recomendado que o ambiente esteja escuro. Os brilhos das telas estimulam o cérebro e dificultam o sono, que é dividido em duas fases: a superficial e a profunda”, explica. “O sono profundo, por exemplo, é o momento em que nosso corpo consegue se recuperar do cansaço e estresse diário. A televisão ligada faz com que a pessoa fique em estado de alerta e tenha dificuldades para dormir”, completa.

 A especialista lembra que o ideal é adquirir novos hábitos para a redução do consumo exagerado de dispositivos eletrônicos, tais como: 

·          Deixar de utilizar aparelhos eletrônicos entre 30 e 60 minutos antes de dormir;

·          Desligar os dispositivos ou colocar em “modo não incomodar”,
para que barulhos e notificações não interrompam o sono;

·          Não utilizar a TV no quarto, antes de dormir

·          Manter o local escuro e silencioso.





Dra. Luciane Mello - Otorrinolaringologista graduada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Especialista do Sono pela Sociedade Brasileira do Sono. Membro da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF) e da Academia Americana de Medicina do Sono, é médica Responsável pelo Ambulatório do Ronco e Apneia e pelo Serviço de Polissonografia, ambos no Hospital Federal da Lagoa (RJ).
www.facebook.com/dralucianemello


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Como utilizar a Black Friday a favor do seu negócio

O Brasil não está em um de seus melhores momentos e, ultimamente, vive uma insegurança política que vem desaquecendo a economia. No entan...