Pesquisar este blog

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Inverno exige cuidados redobrados com gripes e resfriados infantis



 Nas estações mais frias do ano, é preciso aumentar a atenção a estas doenças em bebês e crianças. Saiba diferenciá-las e veja como amenizar os sintomas de maneira responsável


Com a chegada da estação mais fria do ano, o cuidado com os bebês e crianças devem ser redobrados. Nos dias mais frios, a aglomeração de pessoas e a circulação em ambientes fechados favorecem a transmissão de gripes e resfriados.

Como a incidência de gripes e resfriados aumenta, é importante que as crianças não recebam medicamentos inadequados que, além de não resolverem o problema, podem aumentar os riscos de efeitos colaterais.

Para que isso não ocorra, é fundamental entender a diferença entre gripe e resfriado. Apesar de ambas as doenças serem causadas por vírus, o que causa o resfriado é ‘mais leve’ do que o Influenza, vírus causador da gripe.

“Em geral, a gripe é pior do que o resfriado, e os sintomas como febre, dores no corpo, cansaço extremo e tosse seca são mais comuns e intensos. O resfriado é mais brando do que a gripe e, geralmente, não resulta em sérios problemas de saúde, como pneumonia, infecções bacterianas ou hospitalizações. Os primeiros sinais do resfriado costumam ser coceira no nariz ou irritação na garganta, os quais são seguidos após algumas horas por espirros e secreções nasais. A congestão nasal também é comum nos resfriados, porém, ao contrário da gripe, a maioria dos adultos e crianças não apresenta febre ou apenas febre baixa”, comenta Fernanda Pimentel, diretora de Área Médica e Pesquisa Clínica da Johnson & Johnson Consumo do Brasil/ América Latina.

Um dos sinais/sintomas mais comuns em casos de gripes e resfriados, a febre, pode ser a primeira demonstração de uma infecção viral. Ela pode ser tratada com medicamentos à base de paracetamol, como o TYLENOL®, que possui eficácia antitérmica e age em até 30 minutos.

Para crianças, também existe a versão de TYLENOL Mastigável®, que não tem a necessidade de ser ingerido com água, tem composição de fácil dissolução na boca e sabor tutti-frutti. Esta opção pode ser utilizada na fase de transição entre o medicamento líquido e o comprimido (6 a 10 anos). Neste período, as crianças ainda não conseguem engolir um comprimido, mas, ao mesmo tempo, podem não aceitar tão bem o formato líquido utilizado até então. Como todas as medicações, é preciso que o tratamento seja acompanhado por um médico e que sempre sejam seguidas as recomendações disponíveis na bula do produto.

“Vivemos na geração em que o cotidiano é pautado pelo imediatismo, tudo é para agora e nem sempre se pensa nas consequências de cada escolha. E quando o assunto é saúde isso não é diferente, optando apenas pelo alívio imediato da dor. Mas é importante que os pais façam escolhas bem pensadas, como o alívio responsável da dor e da febre”, recomenda Fernanda.


Outros cuidados

Durante o inverno, também é importante arejar ambientes fechados. Por conta do ar gelado, é comum manter portas e janelas fechadas, para manter o local termicamente agradável. Mas, com o ar “parado”, o ambiente fica mais propício para a transmissão desses agentes causadores de gripes e resfriados.







Johnson & Johnson do Brasil Ltda
Central de Relacionamento com o Consumidor Johnson & Johnson
0800 703 63 63 / www.jnjbrasil.com.br






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Como utilizar a Black Friday a favor do seu negócio

O Brasil não está em um de seus melhores momentos e, ultimamente, vive uma insegurança política que vem desaquecendo a economia. No entan...