Pesquisar este blog

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Como ficará a cicatriz?



O cirurgião plástico Alexandre Audi explica que há vários fatores que determinam a marca de uma operação 


Quem passa por uma cirurgia plástica, além de estar atento ao procedimento, fica preocupado com a marca que ela vai deixar, ou seja, a cicatriz.

Em qualquer cirurgião, o especialista tem de cortar a pele. E, depois de realizado o procedimento, é hora de suturar (de costurar).  Esta etapa é complexa, como o cirurgião plástico Alexandre Audi explica: “As células que formam a pele têm respostas que variam de acordo com cada área do corpo e com cada indivíduo”.

Ele acrescenta que outros fatores também interferem nesses “cortes e costuras”. “É preciso realizar o repouso após todas as cirurgias. Os esforços e as tensões na cicatriz, antes da cicatrização completa, podem levar a cicatrizes alargadas e mesmo deiscências, que são os rompimentos dos pontos.”
Ainda influenciam alterações genéticas, no caso dos negros e orientais, por terem maior predisposição a desenvolver cicatrizes hipertróficas e queloides. “Quando o nosso tecido é cortado ou ferido, imediatamente, se inicia o processo de crescimento de novas células na região. Não há o controle de quantas células deverão ser fabricadas para preencher aquela área cortada, podendo produzir mais que o necessário, o que faz com que as cicatrizes, às vezes, se tornem altas, endurecidas, avermelhadas e até dolorosas, o que, infelizmente, foge do controle do cirurgião”, comenta Alexandre Audi.


Muitas pessoas se baseiam na cicatriz anterior de uma cirurgia para imaginar como ficará a cicatriz da próxima operação. Isso nem sempre funciona, porque os procedimentos são diferentes assim como a pele de determinadas regiões do corpo. Não dá para se comparar a cicatrização em uma abdominoplastia ou mamoplastia, onde se irá retirar excesso de pele, esticar e dar pontos, com à de uma cesariana em que sobra muita pele e não resta nenhuma tensão.  “Na abdominoplastia, em vez de tirar a tensão como no parto, estaremos gerando muita tensão, traremos a pele desde a região do umbigo para uma nova posição. Vamos esticá-la bem e prendê-la na região do púbis”, pontua o cirurgião.

Uma cicatriz é formada por células novas com um colágeno diferente do qual nascemos, por isso ela nunca irá sumir, mas poderá ficar bem discreta, assim como todos os cortes profundos, marcas de vacina e outras existentes no seu corpo.


Existem vários tratamentos para as cicatrizes inestéticas, que vão desde pomadas, adesivos, injeções, placas de silicone, betaterapia, que é uma radioterapia específica na região da cicatriz, para inibir o crescimento de um queloide, até a necessidade de uma nova cirurgia plástica no local.             




DR. ALEXANDRE AUDI – é cirurgião plástico, formado pela Faculdade de Medicina da USP, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBPC), especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, cirurgião plástico do Hospital da Aeronáutica de São Paulo e do Núcleo de Feridas Complexas do Hospital Sírio-Libanês

 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Como utilizar a Black Friday a favor do seu negócio

O Brasil não está em um de seus melhores momentos e, ultimamente, vive uma insegurança política que vem desaquecendo a economia. No entan...