Pesquisar este blog

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Cólica muito forte pode ser sinal de infertilidade



Queixa é o principal sintoma da endometriose, doença que afeta 6 milhões de brasileiras

A cólica menstrual é um incômodo presente na vida da maioria das mulheres. Quando esse problema passa a ser mais intenso e não deixa que atividades comuns do dia a dia sejam realizadas por conta da forte dor, é hora de se preocupar, pois pode ser endometriose, a principal causa de infertilidade no mundo.
Quem afirma é o ginecologista Dr. Luiz Fernando Carvalho, especialista em reprodução humana e endometriose e diretor do Baby Center Medicina Reprodutiva. Segundo ele, cólicas que alteram a rotina da paciente, que a impede de trabalhar e diminui a sua qualidade de vida, por exemplo, devem ser investigadas, pois podem revelar a endometriose pélvica.
“Os principais sintomas da endometriose, que afeta 6 milhões de brasileiras, são cólicas muito fortes, dor para ter relação sexual e alterações nos sistemas urinário e intestinal durante o período menstrual. No entanto, de acordo com a Associação Brasileira de Endometriose (SBE), 10% das mulheres que possuem a doença não sofrem dos sintomas e só descobrem o problema quando tentam engravidar e não conseguem, por isso o acompanhamento médico periódico é tão importante”, alerta Dr. Luiz.
O médico ressalta que apesar de não ter cura, o problema tem controle e deve ser tratado, aumentando a chance de a mulher realizar o sonho da maternidade. “Quanto mais precoce for o diagnóstico, maior a chance de sucesso no tratamento, que varia de acordo com idade da paciente e gravidade dos sintomas e da doença”, explica.

Por que o bebê não vem pra quem tem endometriose?
Segundo o Dr. Luiz Fernando Carvalho, a endometriose causa algumas alterações no sistema reprodutivo feminino que explicam a infertilidade. São elas:

Alteração anatômica: a doença causa inflamações durante o ciclo menstrual, por isso pode provocar aderências e mudar anatomicamente a pelve da mulher, causando dificuldade do óvulo caminhar na trompa e ser levado do ovário para o útero.

Falha de implantação: com o endométrio doente, o espermatozoide também não consegue chegar até o óvulo e fertilizar.

Óvulo e embrião de menor qualidade: mulheres que sofrem de endometriose têm os óvulos e embriões formados com baixa qualidade, o que dificulta a gravidez natural.



Dr. Luiz Fernando Carvalho - ginecologista especializado em reprodução humana e endometriose. Doutor pela Cleveland Clinic, Universidade de São Paulo e Pós Doutor por Harvard, o médico é diretor da clínica Baby Center, além de membro da Sociedade Americana de Reprodução Humana (ASRM), Sociedade Europeia de Reprodução Humana (ESHRE) e Sociedade Americana de Laparoscopia Ginecológica (AAGL).



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Posts mais acessados