Pesquisar este blog

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Acidentes na infância podem levar a déficits cognitivos



Pesquisas têm mostrado a importância de tratar crianças que tenham sofrido ferimentos graves na cabeça e percepção visual em atraso o mais rapidamente possível para evitar déficits cognitivos para a vida.

Segundo pesquisadores, a descoberta pode levar a tratamentos específicos para algumas dessas crianças, prevenir a deficiência ao longo da vida e as mudanças estruturais que poderiam acontecer em seus cérebros.

Cientistas da Escola de Medicina Keck da Universidade da Califórnia (EUA), estudaram exames cerebrais de ressonância magnética com imagem ponderada em difusão (MRI) de 21 crianças, entre 8 a 18 anos de idade, que haviam sofrido acidentes com skates e automóveis. Os pesquisadores também tnham um grupo de controle de 21 crianças saudáveis ​​sem lesões cerebrais.


Os resultados preliminares do estudo foram publicados na revista “Neurology” (março/2017) e indicaram que, se a transferência de informações entre os hemisférios cerebrais de crianças demora mais de 18 milissegundos, as chances de recuperação de lesões cerebrais traumáticas em comparação com crianças com lesões semelhantes, é bem menor.

Emily Dennis, autor do estudo, disse: “descobrimos que as crianças com tempos de transferência de informação demorados, entre os dois hemisférios cerebrais, tinham extensas regiões de desorganização da substância branca e progressiva perda de volume de substância branca. Nas crianças, a afetação na formação de mielina – o isolamento que facilita a transferência de informações – se agrava porque o cérebro continua a amadurecer”. A mielinização geralmente continua além dos 30 anos.




Fonte: www.radiologiaempauta.com.br/




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Posts mais acessados